domingo, julho 23, 2006
















Silêncio coração, não sabes que o rio Douro é caprichoso? Deixa-o espreguiçar-se pela generosa terra, sentir-lhe o moreno sabor, desenhar um poema em cada curva como quem parte com desejos de voltar...

Sem comentários: