quarta-feira, julho 19, 2006

O Douro agradece a sua visita. Volte sempre que sentir saudades!

O TEIXEIRA
A mãe pariu-o, na faina da pesca, sobre as redes amontoadas na proa do velho Valboeiro.
Lavou-o nas águas barrentas do rio com todo o carinho deste Mundo. Nessa hora mágica criou um laço infame ao lançar-se nos braços de tão traiçoeira amante.
Levou-lhe tudo; a rebelde e irrequieta meninice, a doce e tão saudosa juventude, o suor do rosto e a força dos braços. Se preciso fosse, como um louco, no enredo deste amor fatal, até a própria vida lhe daria.
Setenta e cinco anos a percorrer os caminhos do Douro num ministério todo feito de sonhos e de paixões ciganas.

3 comentários:

Anónimo disse...

Avô Teixeira, Mestre dos Barcos, Mestre do Rio Douro....

Avô Teixeira, filho do Douro...

Como tu, ninguem conhece palmo por palmo os mistérios e encantos de um rio tao belo e profundo, como o Rio Douro!!

A neta - Joana Gonçalves

Anónimo disse...

Avô Teixeira, Mestre dos Barcos, Mestre do Rio Douro... Filho do Douro!

Avô Teixeira como tu, ninguem conhece palmo por palmo os mistérios e encantos de um rio tão belo e profundo, como o Rio Douro!

A neta - Joana Gonçalves

Salem disse...

se voltasse ao douro cada vez que tenho saudades, estava lá dia sim dia não...