domingo, julho 23, 2006





De voz embargada na garganta, obrigo-me ao silêncio prolongado e a comungar contigo o esplendor destes momentos de sonho e, é como se um abraço nos prendesse apara sempre...

Sem comentários: